Crítica | Os Novos Mutantes

Todos já devem saber que Os Novos Mutantes foi um filme considerado por muitos como ‘amaldiçoado’. Era pra ter sido lançado em Abril de 2018, foi adiado para Fevereiro de 2019 e depois Abril do mesmo ano. Tudo por conta de refilmagens (ou não, pois elas foram negadas), a fusão da Fox com a Disney e depois, quando foi finalmente oficializado para Abril de 2020, mesmo a Disney não tenho mais interesse nele, veio a pandemia e o filme precisou ser adiado novamente. Duas vezes, na verdade. Primeiro para Agosto e depois para Outubro, quando finalmente chegou aos cinemas (ainda no meio da pandemia).

Sendo um natimorto, foi de motivo de desconfiança à piada. Não fazia o menor sentido ser lançado, afinal perdeu totalmente o timing e já não fazia parte de nenhum universo, visto que a Disney vai rebootar tudo em relação ao universo mutante criado na Fox. E ainda por cima saiu em meio a uma pandemia, quando as pessoas ainda não podem ir com total segurança aos cinemas.

Eu não acho esse universo mutante da Fox tão horroroso quanto se diz. E olha que sou fã dos mutantes, os X-Men são minha equipe de super-heróis preferida. É claro que as adaptações feitas descaracterizaram bastante alguns personagens e plots, mas no geral, especialmente pra quem não acompanha tanto os quadrinhos, são filmes ok, que se sustentam entre si. Isso sem falar na importância que eles tiveram para o boom dos filmes de super-heróis.

Contudo, as últimas produções não foram lá essas coisas. Exceto por Deadpool (especialmente o primeiro) e Logan, os mutantes estavam cada vez mais ganhando roteiros fracos. X-Men: Apocalipse foi sonolento e X-Men: Fênix Negra fraco e melancólico. Portanto, as expectativas pra Os Novos Mutantes que já eram baixas diante de todos os problemas, ficaram quase nulas.

Mesmo assim, como bom fanboy que sou, assisti. Até porque, a curiosidade estava grande e, como disse, ainda que eu conseguisse me decepcionar (visto que não havia qualquer expectativa), não haveria problema, pois já sabia que iria ficar por ali mesmo, sem continuação. Era só fingir que não existiu.

Mas veja só você: o filme é até bonzinho. Bem divertido e vale a pena ser assistido. Nada que faça fãs reclamarem por ele terminar ali e ser enterrado, mas também não vejo como algo que simplesmente não deveria ter acontecido. Foi bem interessante.

O tal tom, clima de filme de terror, tem uma medida boa. Eu, como não-fã de terror, que curte apenas parcialmente o gênero, achei bem adequado o tom. Poderia ficar melhor sim, acho que ele fica tentando se achar muito, mas funciona. Na verdade, o filme todo poderia ficar melhor mesmo, tem alguns furinhos no roteiro se você ficar atento. Mas como eu disse: é divertido, entretém. E isso me basta.

Pois foi isso que os dois últimos filmes dos X-Men não conseguiram: prender a atenção e o interesse. São muito chatos. E definitivamente, Os Novos Mutantes não é chato.

Ainda sobre o tom, acho que se o filme tivesse sido +18 como Logan e Deadpool, poderia ser bem melhor. O tal ‘terror’ seria mais intenso, a violência que é parte importante na história, poderia ganhar mais espaço e até mesmo os relacionamentos dos personagens poderia ficar mais ‘quente’. Contudo, nada fica a desejar por conta disso, só acho que ficaria mais crível ou teria um apelo maior.

A forma como os personagens, desconhecidos para a maioria do público, são apresentados, é bem rápida e objetiva. Quase didática. As motivações ‘dos vilões’, nem tanto. É preciso ter um background maior dos personagens em outra mídia. Acredito que isso se deva ao fato de que a Fox tinha planos maiores, de unificar todo seu Universo Mutante, afinal, há até conexão com o segundo filme do Deadpool. Mas se você não viu, não ficou atento a detalhes, ou simplesmente não conhece nada desses personagens, não pega essas referências.

Só que não faz tanta diferença. Dentro da história que o filme propõe contar, tudo funciona. Há um desenvolvimento, uma complicação e uma conclusão (um tanto aberta, é verdade, mas como disse, que funciona dentro da história contada). Ou seja, você pode sentir que os personagens começaram a se desenvolver e serem explicados, mas pararam. Acho que a ideia era essa, pois isso viria em sequências (cabe a você dizer se é uma boa ideia ou não).

Essa história é: quem são essas pessoas, por que estão ali, como elas se relacionam entre si, como e por que se unem e como saem dali. Pronto, história contada.

Fica no final uma sensação de desperdício. Personagens e história promissores nas mãos de atores competentes que serão simplesmente descartados. Uma pena, mas acaba servindo de lição. Pelo menos não foi tão ruim quanto prometia ser. Até valeu a pena ser assistido em casa numa tarde de domingo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.